Japão, Brasil, Alemanha e Índia pedem reforma do Conselho de Segurança da ONU

Mais Brasil

Tokyo – Japão, Brasil, Alemanha e Índia, que aspiram a se tornar membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, renovaram na quarta-feira seu apelo para o reinício imediato das negociações para reformar o órgão de tomada de decisões do órgão mundial de 15 membros depois que as negociações foram adiadas devido ao pandemia do coronavírus.

Os chanceleres dos países, conhecidos coletivamente como Grupo dos Quatro, destacaram “a urgência de reformar as Nações Unidas e atualizar seus principais órgãos de decisão, a fim de refletir melhor as realidades contemporâneas”, disse um comunicado conjunto divulgado após seu virtual encontro.

Os ministros, reunidos à margem da Assembleia Geral da ONU, expressaram “decepção com as tentativas de inviabilizar este processo e se comprometeram a abordar a questão de uma forma significativa”, já que este ano marca o 75º aniversário do organismo mundial.

O Japão vem trabalhando com os outros três países há anos para incluir todos os quatro como membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU e aumentar o número de assentos não permanentes.

As negociações intergovernamentais sobre as reformas da ONU começaram em 2009, mas não tiveram muito progresso.

O Conselho de Segurança consiste atualmente de cinco membros permanentes, cada um com poder de veto – Grã-Bretanha, China, França, Rússia e Estados Unidos – e dez membros não permanentes eleitos para mandatos de dois anos.

O Japão disse que o Conselho de Segurança deveria ser mais representativo, observando que o número de seus membros só aumentou uma vez em 1965, de 11 para 15, ao adicionar mais cadeiras não permanentes, embora as Nações Unidas agora tenham 193 Estados membros, contra 51 em 1945 quando a organização com sede em Nova York foi estabelecida.

Toshimitsu Motegi do Japão, Ernesto Araujo do Brasil e Subrahmanyam Jaishankar da Índia participaram da teleconferência, enquanto Niels Annen, ministro de Estado do Itamaraty, substituiu o chanceler Heiko Maas.

Com informações Kyodo News

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.